Pular para conteúdo
EMERJ

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro

ícone da bandeira que traduz para o idioma Espanhol ícone da bandeira que traduz para o idioma Francês ícone da bandeira que traduz para o idioma Inglês ícone da bandeira que traduz para o idioma Português
Facebook da EMERJ Instagram da EMERJ X Twitter da EMERJ Youtube da EMERJ Flickr da EMERJ TikTok da EMERJ Spotify da EMERJ logo Threads  LinkedIn da EMERJ
Imagem da Fachada da EMERJ

Magistrados

Eventos

Cursos Abertos

Publicações

Portal do Aluno

Concursos EMERJ

EMERJ Virtual

Núcleos de Pesquisa

Fale Conosco

ES | FR | EN | BR
 
Fale Conosco
Facebook da EMERJ Instagram da EMERJ X Twitter da EMERJ YouTube da EMERJ Flickr da EMERJ TikTok da EMERJ Spotify da EMERJ logo Threads  LinkedIn da EMERJ

EMERJ realizará encontro “Planejamento regulatório, ESG e Inteligência Artificial”

Ícone que representa audiodescrição

O Fórum Permanente de Gestão Pública Sustentável da Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro (EMERJ) promoverá, no dia 30 de agosto, às 9h, sua 19ª reunião, com o encontro “Planejamento regulatório, ESG e Inteligência Artificial”. O encontro terá transmissão via plataforma Zoom, com tradução simultânea para a Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Abertura

O presidente do Fórum, desembargador aposentado Jessé Torres Pereira Junior, especialista em Direito Público pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), conduzirá a abertura da reunião.

Palestrantes

“A Inteligência Artificial no cumprimento do Art. 174 da CR/88”; “Universalização do saneamento básico e os desafios da ODS-6, da ONU”; e “IA e autoria humana sob controle judicial, nas demandas ambientais” serão os temas expostos.

Proferirão as palestras, respectivamente: a procuradora do Ministério Público de Contas do Estado de São Paulo (MPC-SP), Élida Graziane Pinto, professora da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (EAESP-FGV) e doutora em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); o juiz Sandro Lucio Barbosa Pitassi, membro do Fórum e mestre em Saúde Pública pela Fiocruz; e o juiz federal Ilan Presser, professor da União Brasileira de Educação Católica (UBEC) e especialista em Direito Público pela Anhanguera-Uniderp.

O tema

“Um estudo recente da Thomson Reuters aponta que mais de dois terços dos 1.200 profissionais ouvidos, entre eles pessoas de profissões jurídicas, tributárias e contábeis, e de risco, preveem que o impacto da Inteligência Artificial (IA) será muito alto ou transformador. O relatório Future of Professionals traz ainda que, entre os brasileiros, a segurança de dados (25%) e a ética (23%) são as principais preocupações em relação à aplicação da IA em suas profissões.

‘A IA estão remodelando o cenário de negócios com impacto considerável’, comenta Adrián Fognini, diretor-executivo da Thomson Reuters para América Latina. O executivo explica que, com a IA, a análise de dados se torna mais orientada para o futuro, em vez de reativa. Novas aplicações de IA e IA generativa acelerarão significativamente a análise e impulsionarão a tomada de decisões proativas, por exemplo, por meio do monitoramento de eventos em tempo real e da sinalização de riscos. (...)

Outra tendência forte é o da Sustentabilidade na Tecnologia - no inglês, Sustainability in Technology - que procura aplicar princípios e práticas de sustentabilidade na área de TI. A busca por sustentabilidade em data centers, que são grandes consumidores de energia e água é um exemplo.

Outros na mesma linha são a adoção de práticas de reciclagem de aparelhos eletrônicos usados; uso de ‘dark mode’ [tela que escurece] nos computadores para diminuir necessidade de recarga; e até a revisão de quais linguagens são usadas para escrever códigos de softwares - algumas demandam mais horas de trabalho e, portanto, mais processamento e energia. (...)

Esse tipo de desenvolvimento será especialmente importante especialmente quando as empresas de capital aberto precisarem reportar os dados ESG junto com os financeiros, conforme nova regra da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que passará a ser obrigatória a partir de 2026.

Também vale para quem exporta à União Europeia, uma vez que as legislações do bloco passam a exigir provas de que o produto não veio de área de desmatamento, que a cadeia segue princípios internacionais de direitos humanos, e que a pegada de carbono é baixa. O uso de blockchain para fazer a rastreabilidade de produtos, como ouro, cacau, soja, gado, algodão e outros é também um exemplo de Sustainability in Technology.

Mas, para tudo isso avançar, é preciso envolver a equipe de tecnologia na estratégia ESG. ‘O CIO [Chief information officer ou diretor de Tecnologia da Informação] não entende que sustentabilidade também é um problema dele. E precisamos olhar para os dados para resolver problemas e encontrar oportunidades para alcançar as metas’, comenta Lima”.

Fonte: Valor Econômico   

Inscrição

Poderão ser concedidas horas de atividade de capacitação pela Escola de Administração Judiciária aos serventuários que participarem do evento. Serão concedidas horas de estágio pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-RJ) para estudantes de Direito participantes do evento.

Para se inscrever, acesse: https://emerj.tjrj.jus.br/evento/8460

 

11 de março de 2024

Departamento de Comunicação Institucional (DECOM)